Instagran

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Edificio Chantecler- Recife

Chantecler ‘agitou’ o Recife nos anos 40
Construídos no início do século, os sete estabelecimentos que formam o Conjunto Chantecler, localizado no Bairro do Recife, somente receberam essa denominação na metade dos anos 40, quando começou a funcionar no local uma boate que tinha esse nome. Aportuguesamento da expressão francesa Chant Claire, que significa Canto Claro, a casa noturna foi uma das mais badaladas da capital pernambucana e possuía atrações como música ao vivo e desfiles, tudo com uma iluminação vanguardista para a época, com luzes piscando e em profusão.
Até o início da década de 40, o conjunto tinha ocupação mista. Enquanto o térreo era destinado aos armazéns de açúcar, o primeiro e o segundo pavimentos eram residências. Durante a Segunda Guerra Mundial, as famílias começaram a sair do bairro e o espaço foi tomado pelas casas do baixo meretrício. Rendeuz Vous e Night and Day foram duas conhecidas casas de prostituição a se instalar no conjunto nessa época. A Chantecler ainda vivenciou um período de efervescência até a década de 70, quando a área portuária entrou em decadência. Desde então, quase nada foi feito para preservar a construção. Com quase cem anos de existência, os imóveis do conjunto nunca passaram por nenhuma reforma estrutural e as intervenções realizadas pouco fizeram para resguardar os estabelecimentos da degradação. ATUALIDADE – O primeiro grande projeto de recuperação do Conjunto Chantecler foi anunciado em 1998, quando se definiu que os 3,5 mil metros quadrados dos conjugados serviriam para abrigar um hotel com classificação quatro estrelas. Desde então, os planos para o conjunto foram modificados e a proposta atual é que o lugar se torne um centro cultural, com direito a oito salas de cinema e café-concerto com 600 lugares. Orçada em R$ 6 milhões, a obra será financiada pelo Programa Monumenta, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em parceria com a Diagonal Urbana Consultoria.
Fonte:

Jornal do Commercio

Foto:

Arquivo pessoal Rômulo Pereira.________________________________

Jornal do Commercio
Recife - 24.11.2000

2 comentários:

  1. A direita do "Chantecler" atravessando a rua no outro lado da calçada ficava o Banco Magalhães Franco S A vovô Malaquias quando saia do escritório da usina Barão De Suassuna seu cunhado, depositava o dinheiro de vovó Anna Rita lá e os das filhas, na época o ambiente era outro, ao passar do tempo sujou, recordo quê eu e mãe Lena íamos uma vez ou outra a referida autarquia, ela co seu "etudibacker"corro comprado na época por 70 contos, mas eu notava quê ela não gostava do ambiente, por mais criança quê se seja eu nota, ela resmungando porquê esse banco é aqui, entrava-mus no mesmo ela tirava dinheiro e voltava-mus para o Espinheiro. relembrando tinha outro cabaré de nome Black Tie (gravata preta) no mesmo local onde hoje é o Chantecler, recordo o nome pois tive muito estudo e desde pequenino já lia e escrevia bem!!! Shalom, Shalom amém

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço em acrescentar mais informações. Esta reforma já tem um bom tempo e ainda não concluíram, estou louco para conhecer por dentro este referencial de nossa cidade.

      Excluir

Carnaval 2018/ Marco Zero/Recife

Uma mistura de ritmos tomou conta do palco do Marco Zero na noite desse sábado de Zé Pereira. De frevo a rock, os shows no polo principal c...