Instagran

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Carnaval 2018/ Marco Zero/Recife

Uma mistura de ritmos tomou conta do palco do Marco Zero na noite desse sábado de Zé Pereira. De frevo a rock, os shows no polo principal contaram com a participação de Marron Brasileiro, quem abriu a segunda noite de espetáculos, seguido de Fafá de Belém, Lenine, Paralamas do Sucesso e Gaby Amarantos. Entre versos e marchinhas, alguns hits do carnaval 2018 apareceram, como Só da tu e Que tiro foi esse?, lembradas por Lenine e Gaby Amarantos durante apresentações. Só não teve o mais sucesso da pernambucana MC Loma, Envolvimento, que está classificada entre os cinco vídeos mais vistos do período no YouTube brasileiro.

Com 34 anos de estrada e primeiro álbum lançado em 1986, o cantor e compositor Lenine agitou a multidão e despontou gritos de "quero mais" ao fim do show. Uma de suas músicas de despedida foi Alzira e a torre, quando arriscou ainda cantar um trecho do hit pernambucano Só da tu, da banca A Favorita, e recebeu respostas positivas do público. Seu show foi sucedido pelo rock oitentista do Paralamas do Sucesso. Formada por Herbert Vianna (guitarra e vocal), Bi Ribeiro (baixo) e João Barone (bateria), a banda completa neste ano 34 anos de estrada desde o primeiro álbum lançado. A lista de êxitos dos músico inclui canções como Lanterna dos afogadosBig band e Aonde quer que eu vá.



A banda Paralamas do Sucesso também foi um dos destaques na noite deste sábado. Foto: Manuela Cavalcanti/Esp. DP
A banda Paralamas do Sucesso também foi um dos destaques na noite deste sábado. Foto: Manuela Cavalcanti/Esp. DP
Em entrevista antes de subir ao palco, o baterista João Barrone destacou a felicidade de se apresentar no Recife. "Participar dessa festa é sempre altíssimo astral, e hoje a gente vê como o carnaval está proporcionando essas entrada de músicas que não são essencialmente carnavalescas". Conhecido como "as baquetas mais velozes da América Latina", Barone ainda enfatizou que o grupo permanece unido desde dos anos 1980 graças ao amor que cada um tem pelo que faz.

Diversidade e respeito, tanto de ritmo quanto de aceitação e gênero. Assim foram firmadas as principais participações no palco do Marco Zero. Depois de se apresentar no Galo da Madrugada pela manhã, Fafá de Belém subiu ao palco cantando o Hino de Pernambuco, uma forma encontrada pela artista de homenagear os foliões. Ciranda da Rosa VermelhaMadeira que cupim não róiVoltei Recife e Batutas de São José foram alguns dos sons lembrado por Fafá durante a apresentação. Ela aproveitou ainda para cantar o pop conhecido pela voz de Lulu Santos Toda forma de amor. "Eu sou do brega, do frevo e de todos os ritmos, eu sou mulher livre. E o carnaval de 2018 simboliza isso tudo, muita diversidade, de ritmo e de gênero. Nós somos quem queremos ser, temos a liberdade dessa escolha."


O discurso de empoderamento não foi único nos palcos, Gaby Amarantos também fez questão de enfatizar o direito da mulher: "Quando eu digo não é não, após isso é assédio". A frase faz alusão à forte campanha que ocorre em diversos estados contra a violência da mulher e o preconceito no carnaval. No Recife, inúmeros cartazes tomaram forma nas ruas e alertam para que qualquer ato indesejado seja denunciado como crime. Entre os sons de Vai malandra, da cantora Anitta, e KO, de Pabllo Vittar, Gaby Amarantos aproveitou para apresentar algumas "respostas" a músicas que denigrem a mulher. A principal paródia foi em cima da letra de Agora vai sentar, dos MCs Jhowzinho e Kadinho.


Crédito:
Matéria publicada no Diário de Pernambuco
http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/viver/2018/02/11/internas_viver,741390/mistura-de-ritmos-no-palco-do-marco-zero-neste-sabado.shtml


Que tiro foi esse?


Desafio uma foto por dia
Câmera Canon T6

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Recife e seus pombos



Nos prédios do Recife antigo, no Cais do porto em busca de grãos caídos dos contêineres que chegam de navios, nas prais, nas praças. Estas aves fazem parte do cenário recifense.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Lá vem o Galo da Madrugada 2018



Galo da madrugada, o maior Bloco Carnavalesco, criado em 23 de janeiro do ano de 1998, através da união de amigos do bairro de São José, tendo sua principal referencia o saudoso Enéias Freire.

Montado sobre a ponte Duarte Coelho, no bairro de Santo Antônio, é sempre um motivo de grande curiosidade e alegria. O design pernambucano Walter Holmes, s estrutura do galo terá 25 metros e com 3,5 toneladas.

Desafio uma foto por dia
Imagem capturada com a Nikon Coolpix  S 9100
07/01/2018

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Igreja das Fronteiras/Dom Helder



Igreja Nossa Senhora da Assunção das Fronteiras da Estância de Henrique Dias. Erguida no século XVII, recebeu a vista de Dom Pedro II em sua passagem pelo Recife e concedeu o título de Imperial Capela, onde até hoje tem o emblema conservado em sua fachada.

Foi a residencia de Dom Helder Cãmera entre os anos de 1968 a 1999, onde hoje funciona o Memorial Dom Helder, considerado pelo Papa João Paulo II como "Irmãos do pobres e meu irmão".


Desafio uma foto por dia
Imagem capturada em 07/02/2018 com um smartphone


terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Rua Padre Inglês


Desafio uma foto por dia.
Quem foi o padre inglês?
Fala-se que o padre inglês trata-se de um pastor anglicano que residiu nesta rua no século XIX.


No poema que dá título ao livro e à seção intermediária, lemos: “Na rua do Padre Inglês/ um louco joga xadrez.// joga o xadrez da desgraça:/ uma sombra na vidraça/ é o seu parceiro demente.” Há um movimento de observação e busca da nudez das coisas, um caderno de anotações de campo em que o sujeito lírico continua a jornada de aprendizado a partir do diálogo entre contrários: dentro e fora, luz e sombra, céu e chão. Tudo costurado pelo exercício para manter a brasa da lembrança (de si, da cidade, dos outros) acesa: “Nos desertos da memória:/ a rua, o poste, a calçada”. O sujeito lírico atravessa a rua e é atravessado pela cidade: os cheiros, os rios podres, seus bancos, suas putas, suas igrejas e cemitérios, as manchas de merda na calçada.


Trecho do livro:  A rua do padre /editora 7 letras  de Afonso Henriques Neto e Distância, de Virna Teixeira.


Foto de Rômulo Pereira
Cena capturada com um smartphone moto g5 plus.

Fonte:

http://www.vacatussa.com/rua-padre-ingles-everardo-noroes/

Carnaval 2018/ Marco Zero/Recife

Uma mistura de ritmos tomou conta do palco do Marco Zero na noite desse sábado de Zé Pereira. De frevo a rock, os shows no polo principal c...